Translate

Playboy Irresistivel - Capitulo 1



Um

Uma chamada. Duas. Parei de andar em círculos apenas o suficiente para abrir uma fresta da cortina e olhar pela janela. Franzi a testa quando vi o céu ainda escuro, mas pensei que estava mais para azulescuro do que para cinza, começando a mostrar tons de rosa e púrpura no horizonte. Ou seja, tecnicamente, já era de manhã. Três dias se passaram desde o sermão de Jensen e, consequentemente, essa era minha terceira tentativa de ligar para Joe. Mas mesmo eu não tendo ideia do que iria falar – nem mesmo do que meu irmão esperava que eu falasse –, quanto mais eu pensava nisso, mais percebia que Jens estava certo: eu nunca saía do laboratório. O conteúdo da minha geladeira era salada, sobras de comida chinesa e comida congelada. Toda a minha vida até esse ponto girava em torno de acabar a faculdade e me lançar numa perfeita carreira como pesquisadora. Foi um chamado para a realidade perceber o quão pouco eu tinha fora desse círculo. Aparentemente, minha família percebeu isso primeiro, e por algum motivo eles pensavam que a solução para me salvar da solteirice era Joe. Quanto a mim, estava menos confiante nessa solução. Muito menos. Admito que nossa história juntos era bem pequena, e era totalmente possível que ele nem se lembrasse mais de mim. Eu era a pequena irmãzinha, apenas um pano de fundo para suas muitas aventuras com Jensen e seu breve caso com minha irmã. E agora eu estava ligando para ele para… o quê? Me levar para sair? Jogar Banco Imobiliário? Me ensinar como… Eu nem conseguia terminar esse pensamento. Pensei em desligar. Pensei em voltar para a cama e dizer para meu irmão ir se ferrar e parar de me encher. Mas no meio da quarta chamada, e apertando o telefone com minha mão já embranquecida, Joe atendeu. – Alô? – sua voz era exatamente como eu me lembrava, encorpada e profunda, mas ainda mais grave. – Alô? – ele repetiu. – Joe? Ele respirou fundo, e eu ouvi um sorriso se estender por sua voz quando ele falou meu apelido: – Ziggy? Eu tive que rir; é claro que ele se lembraria de mim desse jeito. Apenas minha família ainda me chamava assim. Ninguém sabia o que o nome significava – em retrospecto, eles deram poder demais ao Eric, que tinha apenas dois anos quando escolheu o apelido da sua irmãzinha recém-nascida. – Pois é. É a Ziggy. Como você sabia…? – Eu falei com Jensen ontem. Ele me contou tudo sobre a visita e o chute-no-traseiro verbal que ele deu em você. E também mencionou que você talvez ligasse para mim. – Bom, aí está – eu disse, boba de tudo. Ouvi um gemido e o farfalhar de lençóis. Eu absolutamente não tentei imaginar o tipo de nudez que estava do outro lado da linha. Mas o nó em meu estômago subiu direto para minha
garganta quando a ficha caiu: ele parecia cansado porque estava dormindo. Certo, então acho que tecnicamente ainda não era de manhã. Dei outra olhada pela janela. – Eu não acordei você, não é? Eu nem tinha olhado para o relógio ainda, e agora estava com medo de olhar. – Tudo bem. Meu alarme está prestes a tocar, de qualquer maneira… – ele fez uma pausa e bocejou. – … daqui a uma hora. Segurei um gemido de mortificação. – Desculpe. Acho que eu estava um pouco… ansiosa. – Não, não, tudo bem. Não acredito que esqueci que você agora mora aqui na cidade. E ouvi dizer que você se enfurnou num laboratório nos últimos três anos. Meu estômago se revirou um pouco ao ouvir a maneira como sua voz ficou mais rouca ao me provocar. – Pelo jeito você está do lado de Jensen. Seu tom de voz suavizou. – Ele só está preocupado com você. Sendo seu irmão mais velho, esse é o trabalho favorito dele. – É o que dizem… Voltei a andar em círculos pelo quarto, precisando fazer alguma coisa para conter meu nervosismo. Adorei ele ter notado esse lado de Jensen. – Eu deveria ter ligado antes… – Eu também. Ele se ajeitou e pareceu ter se sentado. Ouvi seu gemido quando se espreguiçou e fechei meus olhos. Parecia exatamente, precisamente e perturbadoramente como sexo. Respire pelo nariz, Demi. Fique calma. – Você quer fazer alguma coisa hoje? – eu falei de uma vez só. E a minha calma foi para o espaço. Ele hesitou, e eu quase dei um soco em mim mesma por não ter pensado que ele poderia ter outras coisas para fazer. Como trabalho. E depois do trabalho, talvez tivesse planos para sair com uma namorada. Ou uma esposa. De repente, fiquei congelada esperando ouvir qualquer som que quebrasse aquele silêncio. Após uma eternidade, ele perguntou: – O que você tem em mente? Pergunta difícil. – Jantar? Joe fez uma pausa que durou vários dolorosos segundos. – Humm, eu tenho uma reunião até tarde hoje. Que tal amanhã? – Tenho laboratório. Marquei uma maratona de dezoito horas com umas células que estão crescendo superlentamente e vou me matar se eu estragar tudo e tiver que começar de novo. – Dezoito horas? Isso é um dia bem longo, Dem. – Eu sei. Ele pensou um pouco antes de perguntar: – Que horas você precisa chegar lá agora de manhã? – Mais tarde – eu disse, olhando para o relógio e estremecendo. Eram apenas seis horas. –
Lá pelas nove ou dez. – Você quer ir até o parque comigo para correr? – Você corre? – perguntei. – Tipo, de propósito? – Sim – ele disse, praticamente rindo. – Não como se estivesse fugindo de algo, mas, você sabe, como se estivesse me exercitando. Fechei meus olhos com força, com um familiar sentimento de obrigação, como se fosse um desafio ou uma tarefa idiota da escola. Maldito Jensen. – Quando? – Daqui meia hora? Olhei novamente pela janela. O sol mal estava nascendo. Tinha neve na rua. É hora de mudança, lembrei a mim mesma. E com isso, fechei os olhos e disse: – Mande uma mensagem com o lugar. Eu te encontro lá.
Estava frio. Mais precisamente, frio de congelar a bunda. Reli a mensagem de Joe, que dizia para eu encontrá-lo no Engineers Gate, na Quinta Avenida com a Rua 90, no Central Park, e fiquei andando em círculos novamente para tentar me aquecer. O ar da manhã queimava meu rosto e atravessava o tecido da minha calça. Eu deveria ter trazido um chapéu. Eu deveria ter lembrado que estamos no mês de fevereiro e em Nova York, e apenas os malucos vão para o parque no mês de fevereiro em Nova York. Eu não conseguia sentir meus dedos e estava legitimamente preocupada que o ar frio e o vento gelado pudessem fazer minhas orelhas caírem. Havia apenas um punhado de pessoas ao redor: alguns corredores superdeterminados e um jovem casal abraçado num banco debaixo de uma árvore gigante, cada um segurando um copo de algo que parecia quentinho e delicioso. Um bando de pássaros cinzentos bicava o chão, e o sol apenas espiava sobre os arranha-céus ao longe. Na maior parte da minha vida eu vivi entre ser socialmente apropriada e ser uma geek que fala pelos cotovelos, então é claro que eu já me senti fora da minha praia antes: quando recebi o prêmio pela minha pesquisa na frente de centenas de pais e estudantes no MIT; quase em todas as vezes que saio para fazer compras; e, no momento mais memorável, quando Ethan Kingman queria uma chupada no colegial e eu absolutamente não tinha ideia de como fazer isso e respirar ao mesmo tempo. E agora, enquanto o céu ficava cada vez mais claro, eu encararia sem reclamar qualquer uma dessas lembranças só para poder escapar desta situação. Não é que eu não estivesse a fim de correr… tá bom, na verdade, era isso mesmo. Eu não queria sair correndo por aí. E não estava com medo de encontrar Joe. Eu estava apenas nervosa. Eu me lembrava de como ele era – sempre havia algo de hipnótico sobre sua atenção. Algo sobre ele que exalava sexo. Eu nunca tive que interagir com ele sozinha e fiquei preocupada de simplesmente não possuir a compostura para isso. Meu irmão me passou uma tarefa – vá viver sua vida mais intensamente – sabendo que se existia um jeito de assegurar minha dedicação em alguma coisa, era me fazer pensar que eu estava falhando. E embora eu soubesse que essa não era sua intenção quando sugeriu isso, eu precisava entrar na cabeça de Joe, aprender com o mestre e me tornar mais parecida com ele. Eu apenas precisava fingir que estava numa missão secreta: entrar, sair e escapar ilesa. Diferente de minha irmã.
Depois que minha irmã de dezessete anos ficou com Joe, baixista, piercing na orelha e com dezenove anos, naquele Natal, eu aprendi muito sobre o que acontece quando uma adolescente fica caidinha por um bad boy. E Joe Jonas era o bad boy em pessoa. Todos eles queriam a minha irmã, mas Liv nunca quis ninguém do mesmo jeito que ela queria Joe. – Zig! Girei a cabeça imediatamente em direção àquela voz e tive que olhar duas vezes enquanto o homem em questão andava na minha direção. Ele parecia mais alto do que eu lembrava e tinha o tipo de corpo que era longo e esguio, um torso que parecia não acabar mais e membros que deveriam deixá-lo desajeitado, mas que por algum motivo não deixavam. Sempre existiu algo sobre ele, algo magnético e irresistível que não tinha nada a ver com um visual simétrico clássico, mas minha memória de Joe de apenas quatro anos atrás não era nada diante do homem que tinha acabado de chegar. Seu sorriso ainda era o mesmo: levemente torto, como se estivesse escondendo algo, e sempre duradouro, deixando uma constante sensação de malícia em seu rosto. Enquanto se aproximava, ele olhou de relance para o lado e eu reparei o contorno de seu queixo e o longo pescoço bronzeado que desaparecia debaixo da gola de sua blusa. Quando ele se aproximou, seu sorriso aumentou. – Bom dia – ele disse. – Achei que era você quando vi de longe. Lembro que você costumava andar de um lado para o outro desse jeito quando ficava nervosa sobre a escola ou algo assim. Deixava sua mãe maluca. E, sem pensar, dei um passo para frente e o abracei. Acho que nunca tinha ficado tão perto dele assim. Pude sentir o calor e os músculos de seu corpo; fechei os olhos quando senti seu rosto pressionado no topo da minha cabeça. Sua voz grave parecia reverberar através de mim. – É muito bom ver você de novo. Relutantemente, dei um passo para trás, inalando o ar fresco misturado com o perfume de seu sabonete. – É bom ver você também. Seus olhos azuis claros olharam para mim debaixo de um gorro preto, que mal cobria as mechas de seu cabelo escuro. Ele se aproximou e colocou algo na minha cabeça. – Achei que você podia precisar disso. Passei a mão e senti um gorro de lã grossa. Uau, isso foi inesperadamente encantador. – Obrigada. Acho que minhas orelhas não vão cair, afinal de contas. Ele sorriu e se afastou novamente, olhando-me de cima a baixo. – Você parece… diferente, Dem. Eu ri. – Ninguém além da minha família me chama assim, faz tempo. Seu sorriso murchou e ele observou meu rosto por um momento, como se procurasse meu nome verdadeiro tatuado na minha testa. Ele só me chamava de Ziggy, igual meus irmãos – Jensen, claro, mas também Liv, Niels e Eric. Até sair de casa, eu sempre fui Ziggy. – Bom, então como é que seus amigos te chamam? – Demi – eu disse silenciosamente. Ele sorriu para mim e continuou a me encarar. Olhou meu pescoço, meus lábios, e então
pareceu inspecionar meus olhos. A energia entre nós era palpável… mas não. Eu provavelmente estava errando minha interpretação da situação. Esse era precisamente o perigo com Joe Jonas. Lembre-se, você é uma agente secreta, Demi. – Então – comecei a falar, erguendo minhas sobrancelhas. – E essa tal corrida? Joe piscou de volta para a realidade. – Ah, é. Ele assentiu e puxou seu gorro até cobrir as orelhas. Joe parecia tão diferente – todo arrumado e bem-sucedido – mas, olhando bem, eu ainda podia enxergar as marcas quase apagadas onde ficavam seus brincos. – Primeiro – ele disse, e eu rapidamente voltei a atenção de volta para seu rosto –, eu quero que você fique atenta com o gelo sujo. Eles fazem um bom serviço limpando as trilhas, mas se você não prestar atenção, pode realmente se machucar. – Certo. Ele apontou para o caminho estreito em torno da água congelada. – Este é o circuito inferior. Ele dá a volta no reservatório e é perfeito para nós, porque tem poucas inclinações. – E você corre aqui todos os dias? Joe soltou uma risada, balançando a cabeça. – Não. Esta pista tem apenas dois quilômetros e meio. Já que você está apenas começando, vamos andar pelo começo e pelo fim da pista, e correr só no meio. – Por que não corremos na sua pista de sempre? – perguntei, não gostando da ideia de mudar sua rotina por minha causa. – Porque eu corro quase dez quilômetros. – Eu consigo fazer isso também – eu disse. Dez quilômetros não pareciam ser tão difíceis. Quer dizer, são dez mil metros… e então senti meu sorriso se esvair quando considerei isso. Ele acariciou minha cabeça com uma paciência exagerada. – É claro que consegue. Mas primeiro vamos ver como você se sai hoje, depois conversamos. E depois disso? Ele deu uma piscadela.
Então, aparentemente eu não sou uma boa atleta. – Você faz isso todo dia? – eu disse, arfando. Ele confirmou, como se estivesse apenas aproveitando um passeio leve pela manhã. Eu sentia que estava prestes a cair morta no asfalto. – Falta quanto? Ele olhou para mim, usando um sorriso convencido – e delicioso. – Meio quilômetro. Oh, Deus. Eu me endireitei e ergui o queixo. Eu chegaria até o final. Eu era jovem e tinha… relativa boa forma. Passava o dia inteiro de pé, corria de sala em sala no laboratório, e sempre usava as escadas quando chegava em casa. É claro que eu sobreviveria até o final. – Bom… – eu disse. – Eu me sinto ótima.
– Não está mais com frio? – Nem um pouco. Eu podia sentir o sangue bombeando em minhas veias e a potência do meu coração dentro do peito. Nossos pés batiam com força na pista, e não, eu definitivamente não estava mais com frio. – Além de ficar ocupada o tempo todo – ele perguntou, sem perder nem um pouco do fôlego –, você gosta do seu trabalho? – Amo – respondi ofegando. – Adoro trabalhar com o Liemacki. Conversamos um pouco sobre meu projeto e as outras pessoas no laboratório. Ele conhecia a reputação do meu orientador de pós no campo da vacinação, e eu fiquei impressionada ao ver que Joe lia bastante; mesmo sobre um campo que ele mesmo disse que nem sempre é a melhor aposta no mundo dos investimentos de risco. Mas ele estava curioso sobre outras coisas além do meu trabalho; ele queria saber sobre a minha vida, e perguntou sem rodeios. – Minha vida é o laboratório – eu disse, olhando de relance para ver seu nível de julgamento. Ele mal piscou. Tive alguns amigos na faculdade, e um exército de professores da pós pedindo trabalhos. Mas, com exceção das duas pessoas no laboratório que eram mais próximas de mim, eu não tinha realmente aquilo que se chamaria de amigos. – Eles são ótimos – expliquei, engolindo em seco antes de tomar um grande fôlego. – Mas os dois são casados e têm filhos. Não são de sair depois do trabalho para beber e jogar sinuca. – Acho que as mesas de sinuca não ficam abertas depois do seu trabalho, de qualquer maneira – ele disse em tom provocador. – Não é por isso que você está aqui? Para tentar sair da sua rotina? – Certo – eu ri. – Apesar de ter ficado irritada quando Jensen disse na minha cara que eu precisava de uma vida, ele não estava exatamente errado – fiz uma pausa, correndo mais alguns passos. – Estive tão focada no trabalho por tanto tempo, tentando superar o próximo obstáculo, e depois o próximo, que acho que nunca parei para simplesmente aproveitar um pouco. – Sei – ele concordou silenciosamente. – Isso não é bom. Tentei ignorar a pressão de seu olhar e mantive meus olhos colados na trilha à nossa frente. – Você às vezes sente que as pessoas de quem mais gosta não são as pessoas com quem você mais convive? Quando ele não respondeu, eu acrescentei: – Ultimamente, sinto que não estou colocando meu coração onde realmente importa. Com minha visão periférica, eu vi seu rosto desviando o olhar e assentindo. Demorou uma eternidade para ele dizer algo, mas, quando respondeu, apenas murmurou: – É, eu entendo isso. Um momento depois, olhei para ele ao ouvir sua risada. Era um som profundo que vibrou pela minha pele e pelos meus ossos. – O que você está fazendo? – ele perguntou. Segui seus olhar até onde meus braços estavam cruzados sobre meu peito. – Meus peitos estão doendo. Como vocês homens conseguem correr desse jeito? – Bom, para começar, nós não temos… – e ele fez um gesto vago mostrando meu peitoral. – Mas e quanto às outras coisas? Tipo, vocês correm usando cueca boxer por acaso? Puta merda, o que há de errado comigo? Problema número um: não tenho um filtro
verbal. Nunca fui muito boa quando se trata de sutilezas, mas algo sobre estar perto de Joe me fazia perder qualquer conexão inibidora entre meu cérebro e minha boca. Ele olhou para mim de novo, confuso, e quase tropeçou num galho caído no chão. – Como é? – Boxer – repeti bem lentamente. – Ou vocês usam alguma coisa para proteger suas partes masculinas e evitar… Ele me interrompeu com uma risada alta que ecoou pelas árvores no meio do ar gelado. – Meu Deus… – Estou apenas curiosa – eu disse. – Então, nada de cuecas boxer – ele continuou, depois de se recuperar da risada. – Teria coisas demais se movendo de um lado para o outro. Principalmente no meu caso. – Por quê? Você tem mais de um saco? – provoquei. Ele me jogou um olhar divertido. – Se você quer mesmo saber, eu uso cuecas próprias para esportes. São bem justas para manter tudo no lugar com segurança. – É, acho que as garotas têm sorte nesse sentido. Nada naquele lugar para – movi meus braços ao redor – balangar para todo lado. Nós somos compactas ali embaixo. Chegamos numa parte plana da pista e começamos a caminhar. Joe estava rindo baixinho ao meu lado. – Percebi. – Bom, você é o especialista no assunto. Ele jogou um olhar cético. – Como é? Por uma fração de segundo, meu cérebro tentou filtrar os pensamentos, mas era tarde demais. – Humm… especialista em xanas – sussurrei, quase sem pronunciar direito o final da frase. Seus olhos se arregalaram, seus passos diminuíram o ritmo. Eu parei totalmente e tentei recuperar o fôlego. – Foi você mesmo quem disse. – Quando foi que eu disse que era um especialista em xanas? – Você não se lembra de quando falou isso para nós? Você disse que o Jensen era bom com as palavras. E você era bom com as ações. E depois ficou mexendo as sobrancelhas. – Isso é horrível. Como diabos você se lembra disso? Eu me endireitei. – Eu tinha doze anos. Você era um amigo gostosão do meu irmão de dezenove anos que ficava fazendo piada sobre sexo na nossa casa. Você era praticamente uma criatura mítica. – Então por que eu não me lembro de nada disso? Dei de ombros, olhando para a pista, que agora estava cheia. – Provavelmente pela mesma razão. – Também não me lembro de você ser tão engraçada. Ou assim, tão… – ele levou um instante para me olhar de cima a baixo – … crescida. Eu sorri. – Eu não era. Joe levou as mãos até as costas e puxou a blusa de moletom por cima da cabeça. Ele usava
uma camisa regata por baixo e, quando seus braços ficaram expostos, senti uma pontada no meio do meu peito. Ele coçou seu pescoço, sem perceber a maneira como meus olhos percorriam seu braço. Eu tinha muitas memórias de Joe daquele verão em que ele trabalhou para o meu pai e morou conosco: lembro-me de sentar no sofá com ele e Jensen para assistir filmes, lembro-me dele passando pelo corredor durante a noite usando apenas uma toalha enrolada na cintura, lembrome de quando ele devorava o jantar após um longo dia de trabalho no laboratório. Mas, com certeza por influência de alguma magia negra, por algum motivo, eu tinha me esquecido das tatuagens. Vendo-as agora, eu podia me lembrar de um pássaro azul em seu ombro, uma montanha e as raízes de uma árvore entrelaçadas em seu bíceps. Mas as outras eram novas. Redemoinhos de tinta formavam uma dupla hélice descendo até o centro de um de seus antebraços; no outro lado, havia o desenho de um fonógrafo visível debaixo da manga da camiseta. Joe permaneceu em silêncio, e quando olhei em seu rosto, vi que ele estava sorrindo para mim. – Desculpe – murmurei, sorrindo timidamente. – Percebi que você tem tatuagens novas. Sua língua molhou rapidamente seus lábios. – Não se desculpe. Eu não teria feito se não quisesse que as pessoas olhassem para elas. – E você não tem problemas? Com o trabalho e tudo mais? Ele murmurou, dando de ombros: – Mangas longas, terno. A maioria das pessoas não sabe que elas existem. O problema com isso era que não me fazia pensar na maioria das pessoas que ignorava as tatuagens. Fazia-me imaginar quem eram as pessoas que conheciam cada linha de tinta em sua pele. Os perigos de Joe Jonas, eu me lembrei. Basta uma frase e você já está pensando nele pelado. Pisquei de volta para o presente, tentando pensar em outro assunto. – Então, e como vai a sua vida? Ele me olhou, cauteloso. – O que você quer saber? – Você gosta do seu trabalho? – Na maioria dos dias. Respondi com um sorriso. – Você viaja para ver sua família de vez em quando? Sua mãe e sua irmã moram em Washington, não é? Lembrei que Joe tinha duas irmãs bem mais velhas que moravam perto da mãe. – Oregon – ele corrigiu. – E sim, umas duas vezes por ano. – Você está saindo com alguém? – eu disse num impulso. Ele apertou as sobrancelhas como se não tivesse entendido a pergunta direito. Depois de um instante, ele respondeu: – Não. Sua adorável reação confusa me ajudou a esquecer o quanto minha pergunta era inapropriada. – Você realmente precisou pensar para responder? – Não, sua espertinha. E não, não existe ninguém que eu apresentaria a você dizendo: “Ei, Ziggy, esta aqui é a fulana-de-tal, minha namorada”.
Respondi com a cabeça, estudando-o. – Que evasiva específica. Ele tirou o gorro e correu os dedos pelos cabelos. As mechas estavam molhadas com suor e espetadas em todas as direções. – Nenhuma mulher chamou sua atenção? – Algumas, sim. Ele virou os olhos para mim, não querendo fugir da minha interrogação. Disso eu me lembrava sobre Joe: ele nunca sentia a necessidade de se explicar para ninguém, mas também não fugia de nenhuma pergunta. Caramba, eu me esqueci do quanto sua personalidade era magnética. Olhei para seu peito, que subia e descia com respirações rápidas, e para os ombros musculosos, que terminavam no pescoço bronzeado e macio. Seus lábios se abriram e sua língua apareceu para molhá-los novamente. Seu queixo era esculpido e coberto com uma barba rala. Senti uma súbita e esmagadora vontade de tocar aquela barba com minhas coxas. Meus olhos seguiram para seus braços fortes novamente, passaram pelas mãos relaxadas ao seu lado – e puta merda, aqueles dedos provavelmente sabiam fazer muitas coisas –, seguiram pela barriga lisinha e chegaram na frente da calça de corrida que me dizia que Joe Jonas, mesmo quando relaxado, não tinha nada a esconder debaixo da cintura. Meu bom Deus do céu, eu queria transar com ele até tirar aquele sorrisinho convencido de seu rosto. Um silêncio se estendeu entre nós, e o constrangimento apareceu. Lembrei que eu não vivia atrás de um vidro espelhado: Joe podia ver cada uma das reações no meu rosto. Seus olhos se tornaram sombrios ao me estudar, e ele percebeu exatamente o caminho que minha mente tomou. Ele se aproximou, observando-me de cima a baixo como se inspecionasse um animal preso numa armadilha. Um lindo e mortal sorriso surgiu em sua boca. – Qual é o veredito? Engoli em seco, fechando os punhos das minhas mãos suadas, e apenas disse: – Joe? Ele piscou, e então piscou de novo, dando um passo para trás e parecendo se lembrar de nossa situação. Eu podia praticamente ver sua mente maquinando: “Esta é a irmãzinha do Jensen… Ela é sete anos mais nova do que eu… Eu fiquei com a Liv por um tempo… Esta garota é uma nerd, pare de pensar com o seu pau”. Joe estremeceu de leve. Eu relaxei, achando sua reação divertida. Joe tinha uma infame expressão indecifrável… mas não aqui, e não comigo. Essa percepção enviou um raio de confiança em meu peito: ele pode ser quase irresistível e o homem mais naturalmente sensual do planeta, mas esta garota aqui consegue, sim, lidar com Joe Jonas. – Então – eu disse –, ainda não está pronto para casar e sossegar? – Definitivamente, não – seu sorriso aumentou num canto da boca, e ele parecia completamente destrutivo. Meu coração e minhas partes íntimas não sobreviveriam uma noite sequer com este homem. Ainda bem que isso não é uma opção, vagina. Sossega aí. Voltamos para o começo da trilha, e Joe encostou-se a uma árvore. – Então, por que você está entrando no mundo dos vivos agora? Ele inclinou a cabeça ao voltar o foco da conversa para mim. – Sei que Jensen e seu pai querem que você tenha uma vida social mais ativa, mas vamos lá.
Você é uma garota bonita, Dem. Não é possível que ninguém tenha pedido para sair com você. Mordi meu lábio por um segundo, achando divertido que Joe pensasse que, para mim, tudo se resumia a sexo. Mas a verdade era que… ele não estava de todo errado. E não havia julgamento em sua expressão, nem um distanciamento estranho com um assunto tão pessoal. – Não é que eu não tenha saído com alguns caras. Acontece que eu não sou boa nessa coisa de encontros casuais – eu disse, lembrando-me do meu mais recente e completamente entediante encontro. – Sei que pode ser difícil enxergar por trás de todo esse meu constrangimento charmoso, mas eu não sou muito boa nesse tipo de situação. O Jensen me contou suas histórias. Você conseguiu se formar no doutorado com todas as honras enquanto ao mesmo tempo transava sem parar. E aqui estou eu, num laboratório com pessoas que parecem considerar o constrangimento social um campo de estudo. Eles não são muito de experimentar a fruta, se é que você me entende. – Você é jovem, Dem. Por que está se preocupando com isso agora? – Não estou preocupada com isso, mas já tenho vinte e quatro anos. Meu corpo funciona plenamente, e minha cabeça está cheia de pensamentos interessantes. Eu apenas queria… explorar. Você não pensava nessas coisas quando tinha minha idade? Ele deu de ombros. – Não me lembro de ficar estressado por causa disso. – É claro que não. Você erguia uma sobrancelha e as calcinhas automaticamente caíam no chão. Joe lambeu os lábios e coçou o pescoço. – Você é uma figura, sabia? – Sou uma cientista, Joe. Se vou mesmo fazer isso, preciso aprender como os homens pensam, preciso entrar na cabeça deles – respirei fundo e o observei com cuidado antes de dizer: – Me ensine. Você disse para meu irmão que me ajudaria. Então ajude. – Tenho certeza de que ele não quis dizer: “Ei, mostre a cidade para minha irmãzinha, veja se ela não está gastando demais no aluguel e, a propósito, ajude ela a transar por aí” – suas sobrancelhas negras se juntaram quando algo pareceu lhe ocorrer. – Você está pedindo para eu apresentar algum amigo meu? – Não. Deus me livre – não sei se eu queria rir ou cavar um buraco para me esconder até a eternidade passar. – Quero sua ajuda para aprender… – dei de ombros e cocei meu cabelo debaixo do gorro. – Como me comportar em encontros. Me ensine as regras. – Não sei se sou o mais qualificado para ajudar você a conhecer caras. – Você estudou em Yale. – Sim, e daí? Isso foi há anos atrás, Dem. E acho que isso não fazia parte da grade curricular. – E você tocava numa banda – continuei, ignorando seu último comentário. Seus olhos mostravam seu divertimento. – E daí? – E daí que eu estudei no MIT e jogava Dungeons & Dragons e Magic. E daí que exestudantes de Yale que jogavam lacrosse e tocavam numa banda podem ter mais ideias de como melhorar a vida sexual de geeks nerdísticos e quatro olhos. – Você está tirando sarro de mim?
Ao invés de responder, cruzei os braços sobre meu peito e fiquei esperando pacientemente. Foi a mesma postura que adotei quando deveria ter ficado vagando de laboratório em laboratório para escolher minha pesquisa de mestrado. Mas eu não queria ficar vagando de laboratório em laboratório; eu queria mesmo iniciar a minha pesquisa com Liemacki, imediatamente. Fiquei de pé em frente ao seu escritório, depois de explicar por que sua pesquisa estava perfeitamente posicionada para se afastar de vacinas virais rumo a parasitologia, e o que eu pensava que poderia funcionar para a minha tese. Depois de apenas cinco minutos ele cedeu. Joe olhava para o horizonte. Eu não sabia se ele estava considerando o que eu tinha dito ou se estava decidindo se deveria simplesmente começar a correr e me deixar para trás ofegando. Finalmente, ele suspirou. – Certo, bom, a regra número um para ter uma vida social mais abrangente é nunca ligar para ninguém, com exceção de um taxista, antes do sol nascer. Rindo, eu murmurei: – Pois é. Foi mal. Ele me estudou, no fim gesticulou para minhas roupas. – Vamos correr. Vamos sair e fazer coisas – ele estremeceu e gesticulou novamente para meu corpo. – Não quero dizer que você precise fazer algo, mas… merda, sei lá. Você está usando a blusa de moletom do seu irmão. Me corrija se eu estiver errado, mas tenho a sensação de que esse é seu jeito normal de se vestir, mesmo quando não sai para correr – ele franziu a testa. – Apesar de ter lá o seu charme. – Não vou me vestir como uma vadia. – Você não precisa se vestir como uma vadia – ele se endireitou e mexeu nos cabelos antes de colocar o gorro de novo. – Deus. Você é tão esquentadinha. Você conhece Dani e Miley? Neguei com a cabeça. – São garotas com quem… você não está saindo? – Ah, nossa, não – ele riu. – Elas são as garotas que laçaram meus melhores amigos pelas bolas. Acho que seria bom você conhecê-las. Juro que vão se tornar melhores amigas ao final da noite.

3 comentários:

  1. Meu deus forninhos vão cair com essa fic,ta perfeita,posta mais

    ResponderExcluir
  2. wow, esse capitulo foi.. caramba

    ResponderExcluir
  3. Quero mais.... faz maratona por favor!!!!

    ResponderExcluir

 

© Template Grátis por Cantinho do Blog. Quer um Exclusivo?Clique aqui e Encomende! - 2014. Todos os direitos reservados.Imagens Crédito: Valfré